quinta-feira, 24 de março de 2016

Algumas considerações finais sobre College69



Quero terminar esse ciclo, que foi a época que escrevi College 69, falando algumas coisas sobre a história. Caso você já tenha lido até o fim, então você pode continuar lendo o texto a seguir, já que vou falar sobre o final de certos personagens.

College69 é uma fantasia. Eu considero essa e outras histórias minhas como fantasias, pelo fato de que na maioria das vezes, elas não refletirem a realidade. É claro que a época da faculdade não é como eu escrevi. Não sei se existe alguma Brishton na vida real. Mas eu acho que essa é a graça da escrita não é mesmo? Tudo é possível. Eu quis criar um mundo onde eu gostaria de viver. Eu adoraria ter independência, ter um grupo de amigos com que possa me divertir, morar em um dormitório como o de Brishton, dividir o quarto com outros garotos da minha idade. Mas eu estou ciente de que na realidade, principalmente no Brasil, as coisas são MUITO diferentes.

No mundo em que vivemos, nem todas as pessoas são "bonitas" e "atraentes" como a maioria dos estudantes de Brishton. Talvez isso seja um erro meu, mas quase todos os personagens, sejam principais ou secundários, são de certa forma "belos" (já que o conceito de beleza é muito subjetivo e padrozinado). E é claro que a vida dos gays e bissexuais não é daquele jeito! Seria bom se fosse, mas as pessoas se escondem e nem sempre se aceitam. Existe muito preconceito...

Mas como é uma ficção, eu posso deixar as coisas do jeito que eu quiser. Vou ser sincero com vocês, há certos pontos em College69 que eu gostaria de ter feito melhor. Mas no geral, estou satisfeito com a conclusão. E mesmo dizendo que a história não reflete a realidade, eu quero mostrar que algumas coisas que acontecem no nosso mundo também são parte da vida desses personagens.

Aaron e Maxwell terminaram juntos. Sim, esse é o ponto chave de um final feliz. Mas eles passaram por diversas coisas até aqui certo? Lembram da traição de Aaron? Os dois ficaram um bom tempo separados. Aaron se envolveu com Stuart, mas no final, voltou com Max. O futuro deles é incerto, mas gosto de imaginar que eles viveram juntos até o fim. 

Daniel e Denis, Vincent e Oliver também terminaram juntos. Por um bom tempo eu achava que Kyle iria terminar com Enzo, mas decidi criar o personagem Junior. Ele combina muito mais com Kyle.

Blake e Pietro foram um casal a história inteira, mas eles não terminaram juntos. Quis mostrar que nem sempre os relacionamentos duram pra sempre. Muita gente me mandou mensagem falando sobre um possível incesto entre Blake e o irmão Ethan. Pois fiquem felizes. Os dois realmente ficaram juntos. Essa foi uma ideia que me agradou e eu coloquei no final.

Outra coisa que me falaram muito era sobre o casal Stuart e Fernando. Acho que um dos meus defeitos é criar personagens heteros e acabar mudando a sexualidade deles no decorrer das histórias, tornando-os bissexuais, para justificar o envolvimento deles com outros personagens. Stu foi idealizado como hetero, mas as coisas mudaram. Fernando por outro lado, não alterou a sexualidade. Quis mantê-lo hetero até o fim. E é por isso que não foi possível colocar esses dois personagens juntos como um casal, mas a amizade deles é forte.

Stu se apaixonou por um hetero e eles nunca poderiam ficar juntos. Na vida real, isso acontece muito. Eu mesmo comecei a gostar de um amigo. Mas nem tudo é do jeito que nós queremos né? Paciência...

Mas enfim. Eu quis escrever esse texto para expressar algumas opiniões. Agora estou pronto para voltar a escrever sobre Jake Willians, meu primeiro personagem. "The Hot Life of Jake Willians", que foi a minha primeira história, não se encontra mais disponível para leitura. Vou reescrevê-la de uma maneira totalmente diferente. Considero isso um recomeço. Espero que gostem do resultado.

Abraços :)

OBS: A música que Max canta no final do capítulo 100 é "Wonderwall" do Oasis. De inicio eu queria que ele cantasse algo original, como fizera diversas vezes na história, mas ultimamente eu tenho escutado muito essa música e achei que a letra combinava com o relacionamento deles.

Related Articles

0 comentários:

Postar um comentário